Dicas do Doutor Nisenbaum

Pré-natal

É indicado que o número mínimo de consultas seja seis: uma no primeiro trimestre, duas no segundo e três no último. Nelas, o médico irá pesar a paciente, verificar a pressão arterial, medir a circunferência abdominal e o fundo do útero, realizar toque vaginal e ouvir os batimentos cardíacos fetais (a partir da décima segunda semana). As consultas são mensais até a 32ª semana, quinzenais da 32ª a 36ª e, após, semanal até o dia do parto.

HPV

O vírus do HPV pode ser transmitido pelo contato com a pele ou a mucosa infectada, porém forma principal de transmissão é por via sexual, pode ocorrer também o contágio entre mãe e bebê durante a gravidez ou o parto e ao compartilhar roupas íntimas e toalhas também se corre o risco de transmitir o vírus. Existem mais de 100 tipos de Papilomavírus (HPV) e alguns deles podendo causar câncer, principalmente no colo do útero e do ânus. Não se sabe ao certo o tempo em que o HPV pode permanecer sem se manifestar, por isso recomenda-se procurar o médico para realizar um check up anualmente.

Existem alguns exames de prevenção que devem fazer parte de toda a vida da mulher, dentre eles estão o Papanicolau, o ultrassom transvaginal e a mamografia.

Candidíase

Também conhecida por Monoliase Vaginal, a candidíase vaginal é uma infecção ocasionada por fungo, o Cândida ou Monília, que causa um corrimento espesso, grumoso e esbranquiçado, acompanhada geralmente de irritação no local.

Fatores facilitadores da candidíase:

Antibióticos;
Gravidez;
Diabetes;
Outras infecções (por exemplo, pelo vírus HIV);
Deficiência imunológica;
Medicamentos como anticoncepcionais e corticoides;
Relação sexual desprotegida com parceiro contaminado;
Vestuário inadequado (roupas apertadas e biquínis molhados; lycra e roupa de academia que aumentam a temperatura vaginal);
Duchas vaginais em excesso.

O sintoma mais comum da doença é a coceira, mas é importante ficar atenta também para o ardor vulvovaginal e o inchaço da região.

Para passar bem longe da candidíase, a principal dica é usar somente roupas íntimas de algodão. Isso porque outros tecidos podem manter a região vaginal úmida e quente, facilitando o desenvolvimento dos fungos. Por isso, também é recomendado dormir sem calcinha, não usar absorvente íntimo diário e evitar roupas muito justas. Durante o banho, lave a região apenas com sabonete de pH neutro.

 

Verrugas genitais

O surgimento de verrugas genitais, externas ou internas, são um alerta para o HPV.

As verrugas podem se manifestar de forma única ou múltiplas, e podem ocorrer na vulva, no períneo (região entre a abertura da vagina e o ânus), no ânus, ao redor da vagina ou no colo uterino.

O HPV é uma doença sexualmente transmissível (DST) causada pelo vírus Papilomavírus. Existem mais de 100 tipos de Papilomavírus (HPV) e alguns deles podendo causar câncer, principalmente no colo do útero e do ânus.

Saúde íntima da mulher

A higiene íntima da mulher é extremamente importante para prevenir doenças, como infecções e candidíase.

É recomendado que use papel higiênico ou lenços umedecidos sem perfume e se limpe de frente para trás, substitua os absorventes internos, no máximo, a cada 6 horas e os externos a cada 4 horas e sempre que possível, durma sem calcinha para que haja ventilação na região.

Uso de cinta no pós-parto:

Sou ginecologista e obstétra atuante, e sempre sugeri para minhas pacientes evitarem usar cinta no pós-parto.


Deixo sempre claro que o fato de muitos pensarem que usando a cinta a barriga voltará mais facilmente é apenas uma fantasia.


O uso da cinta é extremamente desconfortável no pós-parto, principalmente pelo fato do abdome estar muito sensível pela cirurgia (cesariana) e do útero ainda estar bastante aumentado. Não é fácil colocar e/ou retirar a cinta. Além disso, muitas vezes essa compressão acentuada causara grande desconforto para respirar.


As pacientes nesta fase costumam dormir mal, se alimentar mal, e incluir em sua rotina algo que não trará benefícios e que lhe tomara tempo, acho algo sem sentido.


Nas cirurgias ginecológicas temos muito cuidado com a hemostasia, para evitar a ocorrência de hematomas. Esse cuidado muitas vezes não é possível de ser realizado em outros tipos de cirurgia, como por exemplo uma lipoaspiracao. Nesta situação, seria enato interessante usar a cinta, para evitar um sangramento mais acentuado, fato este que não costuma ocorrer apôs a cesariana.

Fica então minha sugestão para não usar cinta no pos parto, e sim usar calcinhas mais altas e com elástico.

Evite café e alimentos picantes na pós menopausa

De acordo com um estudo realizado nos EUA, o consumo de cafeína na pós menopausa pode aumentar as queixas de ondas de calor e calores noturnos.

Com isso, o aconselhável para reduzir os sintomas é controlar o consumo da cafeína e também evitar bebidas quentes e alimentos picantes, parar ou diminuir com álcool e cigarro, usar roupas mais leves a noite, controlar o stress, controlar o peso e praticar exercícios.

Conheça seu período de ovulação.

Não só para tentar engravidar, mas também para evitar a gravidez, a mulher precisa conhecer seu período de ovulação. Se você está na tentativa de aumentar a família, é recomendável manter relações sexuais no período de um a dois dias antes da ovulação até 24 horas depois.

O espermatozoide pode viver por dois ou três dias mas um óvulo não dura mais que 24 horas depois da ovulação, a não ser que seja fertilizado. Com isso, se você teve relações próximo ao período de ovulação, suas chances de engravidar aumentam.

Frequência de consultas durante o pré-natal

 É indicado que o número mínimo de consultas seja seis: uma no primeiro trimestre, duas no segundo e três no último.

Nelas, eu vou pesar a paciente, verificar a pressão arterial, medir a circunferência abdominal e o fundo do útero, realizar toque vaginal e ouvir os batimentos cardíacos fetais (a partir da décima segunda semana).

As consultas são mensais até a 32ª semana, quinzenais da 32ª a 36ª e, após, semanal até o dia do parto.

Diabete gestacional

Diabéticas que engravidem com a doença mal controlada apresentam risco muito maior de ter filhos com malformações. Além disso, a formação da placenta e, portanto, o crescimento do feto depende de um bom controle da pressão arterial no início da gravidez.

Gestação tardia

Ao redor de 20% das minhas pacientes gestantes têm mais de 35 anos. É importante que a saúde dela esteja em dia: o primeiro exame que deve ser feito é o de sangue, coma análise completa do colesterol, tireoide, glicemia, anemia e sorologia para doenças infecciosas - como tétano e rubéola - que podem afetar o feto mas são prevenidas com vacina. É fundamental tomar ácido fólico por no mínimo três meses antes de engravidar e até o terceiro mês de gestação. Essa simples atitude diminui consideravelmente o risco de defeitos no fechamento do tubo neural (anencefalia e espinha bífida). 

Cuidados antes de engravidar

Um dos cuidados mais importantes antes de engravidar e com comprovação científica de eficácia é o uso diário de ácido fólico (comprimido) por pelo menos três meses antes de engravidar, continuando até o terceiro mês de gestação. Isso diminui o risco de algumas malformações fetais complexas, principalmente na formação do tubo neural do feto (região onde fica a medula). Essa medida é simples, de custo mínimo, e evita grandes complicações.

Período de ovulação

 Não só para tentar engravidar, mas também para evitar a gravidez, a mulher precisa conhecer seu período de ovulação.
Se você está na tentativa de aumentar a família, é recomendável manter relações sexuais no período de um a dois dias antes da ovulação até 24 horas depois. O espermatozoide pode viver por dois ou três dias mas um óvulo não dura mais que 24 horas depois da ovulação, a não ser que seja fertilizado. Com isso, se você teve relações próximo ao período de ovulação, suas chances de engravidar aumentam.

Comunicação na gestação

 Muito antes de seu nascimento e ainda no ambiente intrauterino, tem início a formação do vínculo entre a mãe e seu bebê. Neste momento, surge a necessidade da gestante conversar com seu filho, esclarecendo o que está ocorrendo, como está se sentindo e como se sente em relação a ele. Isso faz com que seja liberado sentimentos, diminuindo a intensidade da angústia, mantendo-se dentro de certo equilíbrio emocional, o que certamente será percebido por ele, pois o ambiente uterino se tornará menos agressivo e, portanto, mais neutro.

Depressão pós-parto

 Toda gestação causa nas mães mudanças físicas, fisiológicas e psíquicas, e com isso, se torna comum queixas de certas tristezas e irritabilidade após o nascimento do bebê.
Mas, além de todas essas mudanças, o organismo passa por verdadeiras revoluções hormonais que podem mexer com o sistema nervoso central, deixando a mulher incapacitada e com dificuldade de realizar as tarefas do dia a dia.
Há alguns tratamentos seguros com medicamentos, mas é de extrema importância consultar o médico, pois as substâncias pode passar pelo leite.

A importância da higienização íntima

 A higiene íntima é importante para que a mulher evite odores desagradáveis e infecções que podem, com frequência, surgir.
A região íntima contém um pH ácido que funciona como uma capa que protege a pele da proliferação de bactérias. Entretanto, ele pode se desequilibrar facilmente, devido a uma série de fatores como uso de roupas justas e sintéticas, a realização de depilação com cera e o excesso de estresse. O mais recomendável é a utilização de sabonetes líquidos e com pH ácido (pH entre 4,2 e 5,6), pois os em barra costumam ser alcalinos, agredindo a camada protetora da pele e causando alergia e coceira.

Detecção de síndromes fetais pelo sangue

 Colhendo um exame de sangue a partir de 10 semanas de gestação, é possível detectar o sexo e o RH fetal. Mas, recentemente no Brasil, chegou um teste do qual colhendo o sangue materno é possível detectar a síndrome de Down, a síndrome de Edwards e a síndrome de Patau, além de algumas alterações cromossômicas.
Um dos melhores benefícios é evitar a realização de retirada de material (líquido amniótico, placenta ou sangue de cordão umbilical) para a realização do diagnóstico, diminuindo assim o risco de acidentalmente causar a perda da gestação.

Ômega 3 na gestação

 O ômega 3 é um tipo de gordura, conhecido como ácido graxo essencial, essencial para a manutenção e promoção da saúde. O uso da substância durante a gravidez pode resultar em gestações mais longas e tranquilas. Isso porque a gordura atua na sustentação dos tecidos e na melhora do fluxo sanguíneo, ocasionando um efeito direto na qualidade da gestação e por consequência na saúde da mãe e do bebê.
O ômega 3 pode ser consumido em alimentos como sardinha, atum, chia, linhaça, castanha e nos vegetais escuros como couve e espinafre.

Reposição da vitamina D

 Você sabia que é recomendável que haja uma exposição sem protetor solar por 15 minutos diariamente? A vitamina D só é absorvida com a exposição da pele direto ao sol, se tornando importante para fugir de doenças, ajudando na saúde dos ossos, no bom funcionamento da mente, além de sintetizar a vitamina essencial para a manutenção do corpo humano e o desenvolvimento de um novo, no caso da gravidez.

Copyrights © 2018: Clínica Dr. Renato Nisenbaum - Todos os direitos reservados
site desenvolvido pela Vioti Comunicação